sexta-feira, 24 de abril de 2015

Mostra "O Pão e o Vinho"



Mostra "O Pão e o Vinho"

A mostra "O Pão e o Vinho" apresenta vestes litúrgicas utilizadas entre o período da Páscoa e Corpus Christi, com peças nas cores branca e vermelha, nas formas romana e neogótica, pertencentes do Acervo Histórico-Artístico da Venerável Ordem Terceira de São Francisco da Penitência da Cidade de São Paulo (VOTSFPCSP).

Entre as peças em exposição, destacamos o conjunto com bordados com motivos franciscanos: uma casula com o Cristo Seráfico e duas dalmáticas com o brasão composto pelo braço de Cristo e de São Francisco.

Outro detalhe a ser observado pelo visitante é o sebasto de uma casula neogótica, exemplar têxtil da arte beuronense. O Mosteiro de São Bento de São Paulo foi realizado neste estilo no início do século XX, cujos princípios foram idealizados por Peter Lenz (1832-1928), monge beneditino conhecido como Frei Desiderius, na segunda metade do século XIX, na Abadia de Beuron, na Alemanha. 

A mostra é o resultado dos estudos recentes desenvolvidos pela Profª Me. Rosângela Aparecida da Conceição, realizada no acervo e na documentação da VOTSFPCSP, dentro da pesquisa "Indumentária e têxteis litúrgicos nas coleções brasileiras de arte sacra".

Agradecimentos aos irmãos da VOTSFPCSP, em especial a Ministra Irmã Maria Nascimento Silva e aos membros do Conselho 2012 a 2015, a Profª Drª Marike Van Roon, a Dom Abade Matthias Tolentino Braga - Abade do Mosteiro de São Bento de São Paulo, a Dom João Batista, OSB, João Paulo Rossi (Lumen - Conservação e Restauro) e a Tabatha Nascimento pelas contribuições.

Local: Espaço expositivo da Venerável Ordem Terceira de São Francisco da Penitência da Cidade de São Paulo
Visitação: 9 de abril a 7 de junho de 2015

Local: Largo de São Francisco, 173 - Sé - 01005-010 - São Paulo  SP  Brasil

Visita monitorada ao acervo e dependências da Igreja: quintas-feiras às 14h
Agendamento e contato: votchagas@gmail.com


Ficha técnica
Curadoria e pesquisa: Profª Me. Rosângela Aparecida da Conceição
Montagem: Profª Me. Rosângela Aparecida da Conceição e Profª Tabatha Nascimento
Colaboração: Dom João Batista, OSB; João Paulo Rossi (Lumen - Conservação e Restauro).

Venerável Ordem Terceira de São Francisco da Penitência da Cidade de São Paulo
Conselho 2012 a 2015
Ministra: Maria Nascimento Silva
Vice Ministro: Carlos Milton dos Santos
1ªTesoureira;- Valéria Jordão de Lima Santos;
2ºTesoureiro: Bernardo Cesar;
1ªSecretária: Sueli Maria Ramos da Silva;
2ªSecretária: Isabel Cristina Ulisses Lima;
Formador: Romário Freitas de Oliveira;
Conselheiros: Edmilson Soares dos Anjos, Sandra Regina Borelli dos Santos, Antonio Alves de Brito, Antonio Santos de Oliveira
Conselho Fiscal: Maria Cecília Martins, Maria Aparecida Pereira Brito, Alex Sandro Bastos Ferreira.

Papa: "Encontro com Deus é como o primeiro amor"

Cidade do Vaticano (RV) – Jesus jamais se esquece do dia em que nos encontrou pela primeira vez; peçamos a Deus também “a graça da memória”, para nos lembrarmos sempre. Este foi o centro da homilia do Papa Francisco na missa celebrada na manhã de sexta-feira, 24, na Capela da Casa Santa Marta. 

Um encontro: foi o modo escolhido por Jesus para mudar a vida dos outros. Aquele com Paulo de Tarso, perseguidor anticristão que quando chegou a Damasco já era um Apóstolo, foi emblemático. O Papa se deteve neste conhecido episódio da liturgia do dia, mas citou a variedade de encontros contidos nas narrações do Evangelho.

O primeiro encontro

Francisco considera o primeiro encontro com Jesus como aquele que ‘muda a vida’ de quem está à sua frente. João e André, que passam ‘toda a noite’ com o Mestre, Simão que logo se torna a ‘pedra’ da nova comunidade; depois, a Samaritana, o leproso que volta para agradecer por ter sido curado, a mulher doente que se recupera depois de tocar a túnica de Cristo. Foram encontros decisivos, que devem induzir um cristão – afirma o Papa – a nunca se esquecer do seu primeiro contato com Jesus:

“Ele nunca se esquece, mas nós nos esquecemos do encontro com Jesus. Seria um bom dever de casa pensar nisso: Quando senti realmente a necessidade de ter o Senhor perto de mim? Quando notei que tinha que mudar de vida, ser melhor, ou perdoar uma pessoa? Quando ouvi o Senhor me pedir alguma coisa? Quando encontrei o Senhor?”. “A nossa fé – prosseguiu Francisco – é um encontro com Jesus. Este é o fundamento da fé: encontrei Jesus como Saulo hoje”.

A memória de todo dia

O Papa pediu aos presentes: “Questionemo-nos sinceramente: Quando me disse algo que mudou a minha vida ou me convidou a dar um passo à frente, na vida?”.

“Esta é uma bela oração e recomendo que a façam todos os dias. E quando lembrar, alegre-se, é uma recordação de amor. Outra sugestão bonita seria ler as estórias do Evangelho e ver como Jesus se encontrava com as pessoas, como escolheu os Apóstolos...”.

Não nos esqueçamos do primeiro amor

“Também não devemos nos esquecer – conclui Francisco – que Cristo vê “o relacionamento conosco” como uma predileção, uma relação de amor “face a face”: “Rezar e pedir a graça da memória: Quando, Senhor, tivemos o primeiro encontro, quando foi o primeiro amor? Para não ouvir a repreensão que o Senhor fez no Apocalipse: Tenho isso contra você, que se esqueceu do primeiro amor”.


Fonte: Rádio Vaticano

Encontro 19.04.2015

Irmãos e Irmãs,
Paz e bem!

Aconteceu no domingo dia 19/04/15 a missa de sufrágio do Irmão Carlos Augusto Machado falecido no dia 13/04/15 e do Dr. José Welington Vasconcellos Ribas, do corpo jurídico da VOT, falecido no dia 15/01/15 (três meses). Contamos com os familiares, amigos e também com os irmãos da Fraternidade São Francisco, da Vila Clementino.  

Frei Gustavo Medella, OFM, conduziu com muito carinho e citou por várias vezes os nomes dos falecidos, seus trabalhos e exemplos.

Na procissão do ofertório a Sra. Nélia, mãe do Irmão Carlos e a Dra. Kely, viúva do Dr. Welington levaram o pão e o vinho para o sacrifício do altar e o Vitor, filho do Dr. Welington levou um vaso de flor simbolizando a esperança diante da dor pela perda de seus familiares.  Entregamos o cartão de condolências aos familiares e abraço da fraternidade.
O casal Valéria e Milton entrou na procissão com um banner contendo fotos de todos os irmãos da Fraternidade das Chagas que continuam a vivenciar a fraternidade mesmo com todas as dificuldades e percalços na caminhada.

Foi bem emocionante!

Rezamos também entre outras intenções em ação de graças pelos aniversariantes do mês.
Após a santa missa nos dirigimos ao refeitório para o café. Cantamos parabéns aos aniversariantes com direito a bolo de festa.

Em seguida tivemos o momento formativo com o Frei Gustavo que tratou sobre o tema Família com o texto do Papa Francisco. Muito bom! Agradou a todos.

Ao meio dia saboreamos um delicioso almoço preparado pelas nossas irmãs e em seguida fomos para a igreja. O Irmão Ivo juntamente com a equipe da formação refletiu sobre a importância da preparação da liturgia da missa, com antecedência pensar e dividir as tarefas da próxima missa da fraternidade, educando os leitores para bem desenvolver a liturgia com cânticos e leituras.

Após, os formandos, os iniciantes e simpatizantes se dirigiam á formação própria e os professos rezaram a coroa franciscana.

Nosso encontro transcorreu na paz, na alegria e na fraternidade.

Por tudo Deus seja louvado!

Maria Nascimento    












quinta-feira, 16 de abril de 2015

Convite Missa de Sufrágio

A Venerável Ordem Terceira convida para Missa de Sufrágio das Almas: Irmão Carlos Augusto Machado e Dr. Welington, a realizar-se no dia 19 de Abril de 2015, às 09:00hs.









segunda-feira, 13 de abril de 2015

Nota de Falecimento

Caríssimos, Paz e Bem.
A irmã morte visitou a Fraternidade São Francisco de Assis, da Vila Clementino, nesta noite ( 13/04/2015) e levou nosso irmão Carlos Augusto Machado.
O velório aconteceu ao meio-dia no Cemitério da Vila Alpina e o sepultamento foi às 15h.
Carlos foi um valente guerreiro que lutou bravamente e nos deixou um testemunho de fé e esperança.
Deus o tenha no seu regaço e conforte D. Nélia, sua mãe.
Fraternalmente
Claudete L. Martins, Ofs.
Comunicação Regional – Sudeste III/ SP














quarta-feira, 8 de abril de 2015

Tríduo Pascal

Irmãos e Irmãs,
Paz e bem!
É Páscoa!
Estamos num dos tempos mais bonitos e significativos do Tempo Litúrgico!
Jesus Ressuscitou! Aleluia! Aleluia! Aleluia!
Agradeço a todos os irmãos que durante a quaresma nas quartas-feiras esteve na igreja para rezarmos a Via Sacra.
Agradeço também a todos que colaboraram com o trabalho, a oração e a presença na Semana Santa para as celebrações do tríduo Pascal.
Como foi significativa nossa participação na Missa da Instituição da Eucaristia e Lava-pés.
E a procissão com o Santíssimo Sacramento do Santuário São Francisco para a Igreja das Chagas! Que bonito!
A preparação do altar para receber a Jesus e permanecer com Ele em vigília durante toda a noite! Estivemos com Ele adorando, rezando e fazendo companhia no jardim das Oliveiras.
Rezamos, cantamos, vivenciamos a Fraternidade!
Que Deus em sua infinita bondade e misericórdia conceda muitas bênçãos e graças a todos!

Fraternalmente,

Maria Nascimento






















Mensagem de Páscoa 2015

VITÓRIA DA VIDA COM GOSTO DE PÁSCOA

Caríssimos irmãos e irmãs

O gosto de Páscoa, é a esperança alegre que nasce da fé.
Jesus venceu a morte, está entre nós, partilha conosco sua vida divina, e por isso, tudo tem sentido novo para nós.
Enfim, depois de uma Quaresma buscando a conversão do coração, propondo-nos a “servir e não ser servido”, como nos pediu a Campanha da Fraternidade deste ano; depois de vivenciarmos tão profundamente na Semana Santa os sofrimentos do Redentor, chegou o momento de cantarmos alegres o grande “Aleluia Pascal” daquele que deu sua vida por nós:
“Por que procurais entre os mortos aquele que está vivo? (Lc 24, 5-6).
Queridos irmãos e irmãs, eis que podemos dizer juntos: Ele venceu a morte! Ele venceu o mal! A Páscoa de Jesus é sinal da vitória sobre todos os males.
Pode parecer que a vida é a de sempre, com suas pequenas alegrias e muitas decepções. Mas para os cristãos é diferente. Porque Jesus vive conosco, cada instante tem valor de eternidade, as cruzes são mais leves, as alegrias mais fortes e duradoras. Se provarmos o gosto da Páscoa, o gosto da ressurreição, ele continuará em nossa vida, como certos gostos fortes que não nos deixam. E toda nossa vida terá um tempero diferente e mais marcante, daquele que sal de Cristo, que afasta a tristeza e o desânimo, faz o amargo tornar-se doce, e válida eternamente nossas pequenas e fugazes alegrias.
Que a certeza e a alegria da Páscoa da Ressurreição nos anime ainda mais na caminhada rumo a mundo melhor, pleno do amor incondicional daquele que tanto nos amou, repleto da “Paz e do Bem”, tão sonhados por Francisco de Assis e Clara de Assis.
Fraternalmente,

Denize Aparecida Marum Gusmão

domingo, 5 de abril de 2015

Papa: “O amor venceu o ódio, a vida venceu a morte”



Cidade do Vaticano – O Papa Francisco presidiu neste Domingo de Páscoa (05/04), no adro da Basílica de São Pedro, a solene celebração Eucarística da Ressurreição do Senhor. Não obstante a chuva, foi grande a participação de fiéis na missa pascal celebrada pelo pontífice.

Após a celebração, Francisco se dirigiu ao balcão central da Basílica Vaticana de onde dirigiu aos milhares de fiéis, presentes na Praça São Pedro, suas felicitações de Santa Páscoa e concedeu a Bênção “Urbi et Orbi” à Cidade de Roma e ao mundo inteiro.
“O amor venceu o ódio, a vida venceu a morte, a luz afugentou as trevas! Com a sua morte e ressurreição, Jesus indica a todos o caminho da vida e da felicidade: este caminho é a humildade, que inclui a humilhação. Para entrar no mistério, é preciso «inclinar-se», abaixar-se. Somente quem se abaixa compreende a glorificação de Jesus e pode segui-Lo na sua estrada”, disse Francisco na Mensagem “Urbi et Orbi” proferida neste Domingo de Páscoa.

ÍNTEGRA DA MENSAGEM

Queridos irmãos e irmãs,
Jesus Cristo ressuscitou!
O amor venceu o ódio, a vida venceu a morte, a luz afugentou as trevas! Por nosso amor, Jesus Cristo despojou-Se da sua glória divina; esvaziou-Se a Si próprio, assumiu a forma de servo e humilhou-Se até à morte, e morte de cruz. Por isso, Deus O exaltou e fê-Lo Senhor do universo. Jesus é Senhor!

Com a sua morte e ressurreição, Jesus indica a todos o caminho da vida e da felicidade: este caminho é a humildade, que inclui a humilhação. Esta é a estrada que leva à glória. Somente quem se humilha pode caminhar para as «coisas do alto», para Deus (cf. Col 3, 1-4). O orgulhoso olha «de cima para baixo», o humilde olha «de baixo para cima».

Na manhã de Páscoa, informados pelas mulheres, Pedro e João correram até ao sepulcro e encontraram-no aberto e vazio. Então aproximaram-se e «inclinaram-se» para entrar no sepulcro. Para entrar no mistério, é preciso «inclinar-se», abaixar-se. Somente quem se abaixa compreende a glorificação de Jesus e pode segui-Lo na sua estrada.

A proposta do mundo é impor-se a todo o custo, competir, fazer-se valer… Mas os cristãos, pela graça de Cristo morto e ressuscitado, são os rebentos duma outra humanidade, em que se procura viver ao serviço uns dos outros, ser não arrogantes mas disponíveis e respeitadores.

Isto não é fraqueza, mas verdadeira força! Quem traz dentro de si a força de Deus, o seu amor e a sua justiça, não precisa de usar violência, mas fala e age com a força da verdade, da beleza e do amor.

Do Senhor ressuscitado imploramos a graça de não cedermos ao orgulho que alimenta a violência e as guerras, mas termos a coragem humilde do perdão e da paz. A Jesus vitorioso pedimos que alivie os sofrimentos de tantos irmãos nossos perseguidos por causa do seu nome, bem como de todos aqueles que sofrem injustamente as consequências dos conflitos e das violências em curso.


Pedimos paz, antes de tudo, para a Síria e o Iraque, para que cesse o fragor das armas e se restabeleça a boa convivência entre os diferentes grupos que compõem estes amados países. Que a comunidade internacional não permaneça inerte perante a imensa tragédia humanitária no interior destes países e o drama dos numerosos refugiados.

Imploramos paz para todos os habitantes da Terra Santa. Possa crescer entre israelitas e palestinenses a cultura do encontro e se retome o processo de paz a fim de pôr termo a tantos anos de sofrimentos e divisões.

Suplicamos paz para a Líbia a fim de que cesse o absurdo derramamento de sangue em curso e toda a bárbara violência, e aqueles que têm à frente o destino do país se esforcem por favorecer a reconciliação e construir uma sociedade fraterna que respeite a dignidade da pessoa. E almejamos que, também no Iêmen, prevaleça uma vontade comum de pacificação a bem de toda a população.

Ao mesmo tempo, confiamos esperançosos ao Senhor misericordioso o acordo alcançado nestes dias em Lausanne, a fim de que seja um passo definitivo para um mundo mais seguro e fraterno.

Do Senhor Ressuscitado imploramos o dom da paz para a Nigéria, o Sudão do Sul e as várias regiões do Sudão e da República Democrática do Congo. De todas as pessoas de boa vontade se eleve incessante oração por aqueles que perderam a vida – penso de modo particular aos jovens mortos na quinta-feira passada numa Universidade de Garissa, no Quênia -, por quantos foram raptados, por quem teve de abandonar a própria casa e os seus entes queridos.

A Ressurreição do Senhor leve luz à amada Ucrânia, sobretudo àqueles que sofreram as violências do conflito nos últimos meses. Possa o país reencontrar paz e esperança, graças ao empenho de todos as partes interessadas.


Paz e liberdade, pedimos para tantos homens e mulheres, sujeitos a formas novas e antigas de escravidão por parte de indivíduos e organizações criminosas. Paz e liberdade para as vítimas dos traficantes de droga, muitas vezes aliados com os poderes que deveriam defender a paz e a harmonia na família humana. E paz pedimos para este mundo sujeito aos traficantes de armas.

Aos marginalizados, aos encarcerados, aos pobres e aos migrantes que tantas vezes são rejeitados, maltratados e descartados; aos doentes e atribulados; às crianças, especialmente as vítimas de violência; a quantos estão hoje de luto; a todos os homens e mulheres de boa vontade chegue a voz consoladora do Senhor Jesus: «A paz esteja convosco!» (Lc 24, 36). «Não temais! Ressuscitei e estou convosco para sempre!» (cf. Missal Romano, Antífona de Entrada no dia de Páscoa).

Na saudação aos fiéis Francisco disse:

Queridos irmãos e irmãs,
dirijo minhas felicitações de Feliz Páscoa a todos vocês presentes nesta praça provenientes de vários países, como também a todos aqueles que nos acompanham através dos meios de comunicação. Levem para suas casas e às pessoas que encontrarem o alegre anúncio de que o Senhor da vida ressuscitou, trazendo consigo amor, justiça, respeito e perdão! Obrigado pela sua presença, por sua oração e pelo entusiasmo de sua fé. Obrigado pelas flores que também este ano vieram da Holanda. Feliz Páscoa a todos!

sábado, 4 de abril de 2015

Sábado Santo: dia de silêncio e esperança



Não se ouve muita coisa neste sábado de silêncio. É o sábado do sepulcro escuro no qual puseram o Filho de Deus. Dia de penumbra, meio claro, meio escuro; meio céu, meio terra. Também nós podemos reservar este Sábado Santo para olharmos atentamente para o nosso coração. Para identificar as possíveis sombras que carregamos dentro de nós. São carências, frustrações, incompreensões, defeitos e limitações que não aceitamos e outras penumbras.

Se é dia de silêncio, é dia também de esperança. De saber que a luz de Cristo não se deixa abater pelas trevas da morte. De renovar a certeza de que também nós podemos iluminar nossa vida na claridade que nasce da Ressurreição.

Na noite de hoje nós já estaremos na Vigília Pascal! No Evangelho de Mc 16,1-7, o clima já é de surpresa e euforia. O túmulo está vazio! Jesus não se encontra mais ali! É esta a certeza que continua até hoje a nos inspirar, que não nos deixa entregar os pontos ou perder a esperança! No vazio do coração angustiado, na incerteza de quem enfrenta problemas na vida, no grito daquele que é injustiçado, Deus se faz justiça e superação. A vida vence a morte! O bem desfaz as armadilhas do mal!

Jesus Cristo ressuscita e reforça mais uma vez a nossa fé: a Semana Santa não termina na Sexta-Feira da Paixão, mas rompe as barreiras e os limites humanos para manifestar a Glória de Deus. Viva Jesus Ressuscitado! Viva a Páscoa da Ressurreição!

Que Deus abençoe sua vida, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém.

Frei Gustavo Medella

sexta-feira, 3 de abril de 2015

Condolências ao Governador Geraldo Alckmin e família


“Senhor de misericórdia, transformai as sombras da morte em aurora de vida”. (Salmo 22)
Nós, irmãos e irmãs da Venerável Ordem Terceira de São Francisco da Penitência da Cidade de São Paulo, nos solidarizamos com a família do Sr. e Governador do Estado de São Paulo, Dr. Geraldo Alckmin, pelo falecimento de seu filho Thomaz Alckmin.

Na certeza de que Deus será o amparo eterno e definitivo do encontro com a irmã morte.

Fraternalmente,
Maria Nascimento